Etiqueta - O Quarto Mandamento

Feed RSS para entradas - Feed RSS para comentários

Quinta, 8 Setembro, 2022

Sábado - O Verdadeiro Dia Santificado por Deus.

 
O Santificado Dia de Sábado é desde a Criação e está transcrito em mandamento pelo póprio Deus conforme se pode comprovar em Gen. 2:1-3 e em Exo. 20:8-11 e em muitos outros locais da Bíblia tanto no velho como no novo testamento, é violado em detrimento do domingo. Domingo esse oriundo do culto ao deus sol praticado no antigo império romano foi instituido e adoptado pela ICAR - igreja católica apostólica romana por decreto. Mesmo reconhecido o erro não o corrige, antes pelo contrário, refugia-se na tradição secular pagã que mantém por questões autoritárias tal birra de criança para fazer prevalecer a sua avante. Assim a instituição se colocou no lugar de Deus, alegando poder e infalibilidade no proposito. Com isto mudou os "Tempos e a Lei" preditos no livro de Daniel onde está profetizado que este poder  "proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo."( Daniel 7:25+ ), o que realmente aconteceu conforme a história documenta. Tal gravidade da iniquidade instituida, que, a todos que dão a vida por Guardar e respeitar o Sábado ordenado por Deus são tabelados como desordeiros e tudo o mais. Manipulando o texto sagrado a seu favor com vã argumentação e isenta de lógica Bíblica, fazem com que o povo peque e abdique sequer de poder pensar no assunto.
Presentemente Agora impingem que domingo é fim da semana. O erro não corrigem, querendo levar a sua avante criam erro sobre erro. Isto só pega nos idólatras que contabilizam os dias da semana com nome de astros, sol, lua, marte, mercúrio, júpiter, venus, saturno, ver tabela em https://pt.wikipedia.org/wiki/Dias_da_semana como rolha afirmam que é "em homenagem à ressurreição de Cristo." mas não dizem que na Bíblia está instituído o Baptismo por imersão para tal. "De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida." - Romanos 6:4+
O baptismo nunca foi instituido para atribuir nome mas para que pelo arrependimento sejamos "Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos." Colossenses 2:12+ Se isto não é a plena lembrança da Ressureiçao de Cristo nada mais o poderá ser porque nenhuma outra acção foi instituida para tal.

Em português e em hebraico a ordem dos dias da semana é respeitado na integra... já que o latim não pegou como idioma global intenta-se no inglês e assim se vai solidificando a mentira como verdade na mente das pessoas. A arte de bem mentir é solidificar a mentira com outra mentira. Satanás sempre assim o fez.
 
Segue-se uma compilação de declarações provando a iregularidade moral e doutrinal que incorrem. 
“Se consultássemos APENAS a Bíblia, ainda teríamos que santificar o dia de sábado, isto é, o sábado, com os judeus, em vez do domingo; …” — A Course in Religion for Catholic High Schools and Academies, pelo Rev. John Laux MA, Benzinger Brothers, edição de 1936, Parte 1 .
 
“O domingo é uma instituição católica, e… só pode ser defendida segundo os princípios católicos…. Do início ao fim das Escrituras, NÃO há UMA ÚNICA passagem que justifique a transferência do culto público semanal do último dia da semana para o primeiro.” Imprensa Católica, 25 de agosto de 1900
 
“É bom lembrar aos presbiterianos, batistas, metodistas e todos os outros cristãos, que a Bíblia não os apóia em nenhum lugar na observância do domingo. O domingo é uma instituição da Igreja Católica Romana, e aqueles que observam o dia observam um mandamento da Igreja Católica”. Priest Brady, em um endereço, relatado no Elizabeth, NJ 'News' em 18 de março de 1903.
 
“Os protestantes não percebem que, ao observar o domingo, eles aceitam a autoridade do porta-voz da Igreja, o Papa” (Our Sunday Visitor, 5 de fevereiro de 1950).
 
“É claro que a Igreja Católica afirma que a mudança [do sábado para o domingo] foi um acto dela… E o acto é uma marca de sua autoridade eclesiástica em coisas religiosas” (HF Thomas, Chanceler do Cardeal Gibbons).
 
“O domingo é a nossa MARCA de autoridade… a igreja está ACIMA da Bíblia, e esta transferência da observância do sábado é prova desse facto” (Catholic Record of London, Ontário, 1º de setembro de 1923).
 
“Os protestantes … aceitam o domingo em vez do sábado como o dia para o culto público depois que a Igreja Católica fez a mudança … papa." Nosso visitante de domingo, 5 de fevereiro de 1950.
 
“É claro que essas duas citações antigas estão exatamente corretas. A Igreja Católica designou o domingo como o dia do culto corporativo e recebe todo o crédito – ou culpa – pela mudança.” This Rock, The Magazine of Catholic Apologetics and Evangelization, p.8, junho de 1997
P. Você tem alguma outra prova de que eles (protestantes) não são guiados pelas Escrituras?
R. Sim; tantos, que não podemos admitir mais do que um mero espécime nesta pequena obra. Eles rejeitam muito do que está claramente contido nas Escrituras, e professam mais do que não pode ser descoberto em nenhum lugar naquele Livro Divino.
P. Dê alguns exemplos de ambos?
A. Eles deveriam, se a Escritura fosse sua única regra, lavar os pés uns dos outros, de acordo com a ordem de Cristo, no capítulo 13. de São João; – eles devem guardar, não o domingo, mas o sábado, de acordo com o mandamento: “Lembre-se de santificar o dia de SÁBADO”; pois este mandamento não foi, nas Escrituras, mudado ou revogado;...
Rev. Stephen Keenan, A Doutrinal Catechism; Nova York em 1857, página 101 Imprimatuer
P. Você tem alguma outra maneira de provar que a Igreja tem poder para instituir festivais de preceito?
R. Se ela não tivesse tal poder, ela não poderia ter feito aquilo em que todos os religiosos modernos concordam com ela; — ela não poderia ter substituído a observância do domingo, o primeiro dia da semana, pela observância do sábado, o sétimo dia, uma mudança para a qual não há autoridade bíblica. Rev. Stephen Keenan, Um Catecismo Doutrinário; Nova York em 1857, página 174
P. De que maneira podemos mostrar a um protestante que ele fala irracionalmente contra jejuns e abstinências?
R. Pergunte por que ele mantém o domingo, e não o sábado, como seu dia de descanso, já que ele não quer jejuar ou abster-se. Se ele responder que a Escritura o ordena a guardar o domingo, mas não diz nada sobre jejum e abstinência, diga-lhe que a Escritura fala do sábado ou do sábado, mas não dá nenhuma ordem em nenhum lugar sobre o domingo ou o primeiro dia da semana. Se, então, ele negligencia o sábado como um dia de descanso e santidade, e substitui o domingo em seu lugar, e isso apenas porque esse era o uso da Igreja antiga, ele não deveria, se deseja agir consistentemente, observar o jejum e a abstinência, porque a Igreja antiga assim ordenou? Rev. Stephen Keenan, Um Catecismo Doutrinário; Nova York em 1857, página 181
Pergunta: Qual é o dia de sábado?
Resposta: Sábado é o dia de sábado.
Pergunta: Por que observamos o domingo em vez do sábado?
Resposta: Observamos o domingo em vez do sábado porque a Igreja Católica transferiu a solenidade do sábado para o domingo”. – Rev. Peter Geiermann C.SS.R., The Convert's Catechism of Catholic Doctrine, p. 50
P. Um protestante sensato não deve duvidar seriamente, quando descobre que mesmo a Bíblia não é seguida como regra por seus correligionários?
R. Certamente, quando ele os vê batizar crianças, revogar o sábado judaico e observar o domingo para o qual [pág. 7] não há autoridade bíblica; quando ele os encontra negligenciar lavar os pés uns dos outros, o que é expressamente ordenado, e comer sangue e coisas estranguladas, que são expressamente proibidas nas Escrituras. Ele deve duvidar, se é que pensa. …
P. O protestante não deveria duvidar quando descobre que ele mesmo tem a tradição como guia?
R. Sim, se ele apenas refletisse que não tem nada além da Tradição Católica para santificar o domingo; … Controversial Catechism by Stephen Keenan, New Edition, revisado pelo Rev. George Cormack, publicado em Londres por Burns & Oates, Limited – New York, Cincinnati, Chicago: Benzinger Brothers, 1896, páginas 6, 7.
 
“A Igreja, por outro lado, depois de mudar o dia de descanso do sábado judaico, ou sétimo dia da semana, para o primeiro, fez o Terceiro Mandamento referir-se ao domingo como o dia a ser santificado como o Dia do Senhor. O Concílio de Trento (Sess. VI, cân. xix) condena aqueles que negam que os Dez Mandamentos são obrigatórios para os cristãos”. The Catholic Encyclopedia, Commandments of God, Volume IV, © 1908 por Robert Appleton Company, Online Edition © 1999 por Kevin Knight, Nihil Obstat – Remy Lafort, Censor Imprimatur – + John M. Farley, Arcebispo de Nova York, página 153.
 
“A Igreja [Católica Romana] mudou a observância do sábado para o domingo por direito da autoridade divina e infalível dada a ela por seu fundador, Jesus Cristo. O protestante que afirma que a Bíblia é o único guia de fé, não tem garantia para observar o domingo. Neste assunto, o adventista do sétimo dia é o único protestante consistente”. The Catholic Universe Bulletin, 14 de agosto de 1942, p. 4.
 
“Todos nós acreditamos em muitas coisas em relação à religião que não encontramos na Bíblia. Por exemplo, em nenhum lugar da Bíblia encontramos que Cristo ou os Apóstolos ordenaram que o sábado fosse mudado de sábado para domingo. Temos o mandamento de Deus dado a Moisés para santificar o dia de sábado, que é o 7º dia da semana, sábado. Hoje, a maioria dos cristãos guarda o domingo porque nos foi revelado pela Igreja fora da Bíblia”. The Catholic Virginian, “To Tell You The Truth”, Vol. 22, No. 49 (3 de outubro de 1947).
 
“… você pode ler a Bíblia de Gênesis a Apocalipse e não encontrará uma única linha autorizando a santificação do domingo. As Escrituras impõem a observância religiosa do sábado, um dia que nunca santificamos”. The Faith of Our Fathers, de James Cardinal Gibbons, Arcebispo de Baltimore, 88ª edição, página 89. Originalmente publicado em 1876, republicado e com Copyright em 1980 pela TAN Books and Publishers, Inc., páginas 72-73.
 
'Negue a autoridade da Igreja e você não terá nenhuma explicação ou justificativa adequada ou razoável para a substituição do domingo pelo sábado no Terceiro – Quarto Protestante – Mandamento de Deus… A Igreja está acima da Bíblia, e essa transferência da observância do sábado é prova desse fato”. Registro Católico, 1º de setembro de 1923. A Fé de Milhões
 
“Mas como o sábado, não o domingo, está especificado na Bíblia, não é curioso que os não-católicos que professam tomar sua religião diretamente da Bíblia e não da Igreja observem o domingo em vez do sábado? Sim, claro, é inconsistente; mas essa mudança foi feita cerca de quinze séculos antes do nascimento do protestantismo, e nessa época o costume era universalmente observado. Eles continuaram o costume, embora se baseie na autoridade da Igreja Católica e não em um texto explícito na Bíblia. Essa observância permanece como uma lembrança da Igreja Mãe da qual as seitas não católicas se separaram – como um menino fugindo de casa, mas ainda carregando no bolso uma foto de sua mãe ou uma mecha de seu cabelo. “Talvez a coisa mais ousada, a mudança mais revolucionária que a Igreja já fez, aconteceu no primeiro século. O dia santo, o sábado, foi mudado de sábado para domingo. O “Dia do Senhor” (dies Dominica) foi escolhido, não por qualquer direção observada nas Escrituras, mas pelo senso que a Igreja tem de seu próprio poder. O dia da ressurreição, o dia de Pentecostes, cinquenta dias depois, veio no primeiro dia da semana. Então este seria o novo sábado. As pessoas que pensam que as Escrituras devem ser a única autoridade, devem logicamente se tornar adventistas do 7º dia e santificar o sábado”. Sentinel, página do pastor, Igreja Católica de Santa Catarina, Algonac, Michigan, 21 de maio de 1995
 
“Se os protestantes seguissem a Bíblia, eles adorariam a Deus no sábado. Ao guardar o domingo, eles estão seguindo uma lei da Igreja Católica”. Albert Smith, Chanceler da Arquidiocese de Baltimore, respondendo pelo Cardeal, em carta datada de 10 de fevereiro de 1920. Igreja." Monsenhor Louis Segur, 'Plain Talk about the Protestantism of Today', p. 213.
 
Que pergunta importante o papado faz aos protestantes?
Os protestantes perguntaram repetidamente ao papado: “Como você ousa mudar a lei de Deus?”
Mas a questão colocada aos protestantes pela Igreja Católica é ainda mais penetrante.
Aqui está oficialmente: “”Você me dirá que o sábado era o sábado judaico, mas que o sábado cristão foi mudado para o domingo. Mudado! mas por quem? Quem tem autoridade para mudar um mandamento expresso do Deus Todo-Poderoso? Quando Deus falou e disse: Tu santificarás o sétimo dia, quem ousar dizer: Não, podes trabalhar e fazer todo tipo de negócios mundanos no sétimo dia; mas tu santificarás o primeiro dia em seu lugar?
Esta é uma pergunta muito importante, que eu não sei como você pode responder.
Você é um protestante, e você professa seguir a Bíblia e somente a Bíblia; e ainda em um assunto tão importante como a observância de um dia em sete como um dia santo, você vai contra a letra clara da Bíblia, e coloca outro dia no lugar daquele dia que a Bíblia ordenou. santo o sétimo dia é um dos dez mandamentos; você acredita que os outros nove ainda são obrigatórios; quem lhe deu autoridade para adulterar o quarto? Se você é consistente com seus próprios princípios, se você realmente segue a Bíblia e somente a Bíblia, você deve ser capaz de produzir alguma parte do Novo Testamento em que este quarto mandamento seja expressamente alterado.”” *Library of Christian Doctrine: Por que você não santifica o dia de sábado? (Londres: Burns and Oates, Ltd.), pp. 3, 4.
 
“Há apenas uma igreja na face da terra que tem o poder, ou reivindica poder, para fazer leis obrigatórias para a consciência, obrigatórias diante de Deus, obrigatórias sob a pena do fogo do inferno. Por exemplo, a instituição do domingo. Que direito tem qualquer outra igreja de guardar este dia? Você responde em virtude do terceiro mandamento (o papado eliminou o 2º em relação à adoração de imagens esculpidas, e chamou o 4º de 3º), que diz 'Lembra-te de santificar o dia de sábado'. Mas o domingo não é o sábado. Qualquer estudante sabe que domingo é o primeiro dia da semana. Tenho repetidamente oferecido mil dólares a qualquer um que prove apenas pela Bíblia que o domingo é o dia que devemos guardar, e ninguém pediu o dinheiro. Foi a santa Igreja Católica que mudou o dia de descanso de sábado, sétimo dia, para domingo, primeiro dia da semana”. – T. Enright, CSSR, em uma palestra proferida em 1893.
 
“É claro que a Igreja Católica afirma que a mudança foi um ato dela. E o ato é uma marca de seu poder eclesiástico e autoridade em assuntos religiosos”. CF Thomas, Chanceler do Cardeal Gibbons, em resposta a uma carta sobre a mudança do sábado, 11 de novembro de 1895.
 
“A tradição, não as Escrituras, é a rocha sobre a qual a igreja de Jesus Cristo é edificada.” Adrien Nampon, Doutrina Católica conforme definido pelo Concílio de Trento, p. 157
 
“O Papa é de tão grande autoridade e poder que pode modificar, explicar ou interpretar até mesmo a lei divina”. O papa pode modificar a lei divina, pois seu poder não é do homem, mas de Deus, e ele actua como vice-gerente de Deus na terra” Lucius Ferraris, Prompta Bibliotheca, art. Papa, II, vol. VI, pág. 29.
Quem lhe outorgou essa autoridade se Jesus declarou: "Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido." Mateus 5:18+ e " é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei." Lucas 16:17+ .?. Para bom entendedor meia palavra basta.
 
“O líder da Igreja Católica é definido pela fé como o Vigário de Jesus Cristo (e é aceito como tal pelos crentes). O Papa é considerado o homem na terra que “toma o lugar” da Segunda Pessoa do Deus onipotente da Trindade”. João Paulo II, Cruzando o Limiar da Esperança, p. 3, 1994
 
“…a intuição pastoral sugeriu à Igreja a cristianização da noção de domingo como “o dia do sol”, que era o nome romano para o dia e que se conserva em algumas línguas modernas.(29) Isso foi para desenhar afastar os fiéis da sedução dos cultos que cultuavam o sol, e dirigir a celebração do dia a Cristo, o verdadeiro “sol” da humanidade”. João Paulo II, Dies Domini, 27. The day of Christ-Light, 1998 (Líderes protestantes proeminentes concordam com esta declaração – Veja aqui uma declaração do Dr. ET Hiscox, autor do 'Manual Batista')
 
“O Sol era um deus principal com os pagãos… O sol tem adoradores nesta hora na Pérsia e em outras terras…. Há, na verdade, algo real, real sobre o sol, tornando-o um emblema adequado de Jesus, o Sol da Justiça. Portanto, a igreja nesses países parece ter dito: 'Mantenha esse antigo nome pagão [domingo]. Permanecerá consagrado, santificado.' E assim o domingo pagão, dedicado a Balder, tornou-se o domingo cristão, sagrado para Jesus”. William Gildea, Doutor em Divindade, The Catholic World, março de 1894, p. 809
 
“A manutenção do antigo nome pagão de Dies Solis, pois o domingo é, em grande parte, devido à união do sentimento pagão e cristão com o qual o primeiro dia da semana foi recomendado por Constantino a seus súditos – pagãos e cristãos. – como o 'venerável' dia do sol.” Arthur P. Stanley, History of the Eastern Church, p. 184
“Quando São Paulo repudiou as obras da lei, ele não estava pensando nos Dez Mandamentos, que são tão imutáveis ​​quanto o próprio Deus, que Deus não poderia mudar e ainda permanecer o Deus infinitamente santo.” - Our Sunday Visitor, outubro 7, 1951.
 
“Pergunta: Como você prova que a Igreja tem poder para ordenar festas e feriados? Resposta: Pelo próprio ato de mudar o sábado para o domingo, que os protestantes permitem; e, portanto, eles se contradizem com carinho, mantendo o domingo estritamente e quebrando a maioria das outras festas ordenadas pela mesma Igreja. Henry Tuberville, Um Resumo da Doutrina Cristã (aprovação de 1833), p.58 (Mesma declaração no Manual of Christian Doctrine, ed. por Daniel Ferris [1916 ed.], p.67)
 
“Alguns teólogos sustentam que Deus também determinou diretamente o domingo como o dia de adoração na NOVA LEI, que ele mesmo substituiu explicitamente o domingo pelo sábado. Mas esta teoria é totalmente abandonada. Agora é comumente aceito que Deus simplesmente deu à Sua igreja o poder de separar qualquer dia ou dias que ela considerasse adequados como dias santos. A igreja escolheu o domingo, o primeiro dia da semana, e com o passar do tempo acrescentou outros dias como dias santos”. – Vincent J. Kelly, Domingo Proibido e Ocupações do Dia da Festa, Washington, DC, Imprensa da Universidade Católica da América, Estudos em Teologia Sagrada, No. 70.,1943, p. 2.
 
“Se consultássemos apenas a Bíblia, ainda teríamos que santificar o dia de sábado, isto é, o sábado, com os judeus, em vez do domingo; …” — A Course in Religion for Catholic High Schools and Academies, pelo Rev. John Laux MA, Benzinger Brothers, edição de 1936, Parte 1. Do começo ao fim das Escrituras não há uma única passagem que justifique a transferência do culto público semanal do último dia da semana para o primeiro”. Imprensa Católica, 25 de agosto de 1900
 
“O sábado era sábado, não domingo. A Igreja alterou a observância do sábado para a observância do domingo. Os protestantes devem estar bastante intrigados com a guarda do domingo quando Deus disse distintamente: 'Santifique o dia de sábado'. A palavra domingo não aparece em nenhum lugar da Bíblia, então, sem saber, eles estão obedecendo à autoridade da Igreja Católica”. Canon Cafferata, O Catecismo Explicado, p. 89.
 
“A razão e o sentido exigem a aceitação de uma ou outra dessas alternativas: ou o protestantismo e a santificação do sábado, ou a catolicidade e a santificação do domingo. O compromisso é impossível.” John Cardinal Gibbons, The Catholic Mirror, 23 de dezembro de 1893.
 
“O Papa tem o poder de mudar os tempos, revogar as leis e dispensar todas as coisas, até mesmo os preceitos de Cristo. O Papa tem autoridade e muitas vezes a exerceu, para dispensar o comando de Cristo” (Decretal, de Tranlatic Episcop).
 
A Bíblia revela claramente que o sábado é sábado e não há suporte bíblico para a observância do domingo. Você pode ver, caro leitor, a chocante admissão da ICAR- Igreja Católica Apostólica Romanba sobre mudar a palavra de Deus e levar muitos à perdição.
 
Umas perguntas se colocam:
Você obedeceria à verdade ou seguiria as tradições e mentiras dos homens?
É uma questão de história bíblica e secular que Deus nunca mudou Seu santo sábado ou transferiu sua solenidade para o domingo. Quem fez?
Roma, em conjunto com a Igreja Católica Romana, mudou o sábado para o domingo! Em que você vai acreditar?
A quem você vai seguir?
O Deus da sua Bíblia — ou as tradições dos homens?
A escolha, caro leitor, é sua.
"Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens." - Atos 5:29+
 
Lembre-se do que está escrito:
"proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo." - Daniel 7:25+, "Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas." - Apocalipse 22:14+, "Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. - Apocalipse 22:15+