A pacata oferta

Bem pequeno recebi uma oferta.

Que idade tinha, não sei, apenas a suficiente para me lembrar até ao dia de hoje.
- Tenho uma prenda para ti.
Logo despertada a curiosidade corri, ajudado desembrulhei, especado, com cara de sério olhando tal coisa inesperada, perguntei: o que é?. Apreensivos, olhando-se todos, retorquiram espantados: não sabes!, olha bem.... é um cão de brincar.
Prontamente respondi: para que serve?

Naquele momento o verão gelou.

Mais tarde veio o gato.
Aquela bola na frente do gato foi o melhor brinquedo para guardar surrateiramente dentro da quarta da água trazida da fonte. A quarta era dumpe de 20Litros feito de chapa galvanizada pelo artista funileiro ´Coutinho´'  que a toda a povoação e arredores servia a sua arte. Sua tampa era uma media de 1Litro.
E não é que a 'bóoa' carregada para baixo e solta do jeito de criança fora da quarta, rolava chão fora e o gato da casa se divertia correndo atraz. O problema era que meus pais tinham de ir de novo buscar novamente água limpa à fonte. Um atilho foi colocado da argola da tampa à asa da quarta.

Coisas da vida.
O socego era sinal de travessura.

Há sempre uma solução para que um mal não se repita.

Adicionar um comentário

O código HTML será mostrado como texto e os endereços web serão convertidos automaticamente.

Feed dos comentários desta entrada